biografia:


O músico dos sopros Carlos Malta conhecido como O Escultor do Vento é multinstrumentista, compositor, orquestrador, educador e produtor, dono de um estilo totalmente original e criativo.

Lançou vários CDs, entre eles Rainbow, em duo com o violoncelista suíço Daniel Pezzotti, indicado ao Prêmio Sharp, “O Escultor do vento”, onde mostra algumas de suas composições, over-dubbing seus saxofones e flautas e criando uma verdadeira orquestra de sopros; Carlos Malta e Pife Muderno, indicado ao Grammy Latino e onde Malta pôde elaborar e desenvolver um nova leitura para o repertório das bandas de pífaro; Tudo Coreto, com sua banda Coreto Urbano, com sete metais e três percussões, apresentando arranjos modernos calcados na tradição das bandas do interior; Pimenta, homenagem a “Pimentinha” Elis Regina, recriando clássicos eternizados pela voz da cantora, que vai para sua 3ª edição; Pixinguinha Alma e Corpo, onde preparou 10 arranjos para sopro e quarteto de cordas sobre a obra do mestre Pixinguinha; Ponto de Bala, uma coletânea de todos os CDs citados acima, comemorando seus 10 anos de carreira solo, e em 2006 “PARU” com o Pife Muderno em homenagem a seu grande amigo Paru, pajé da tribo Yawalapiti do Alto-Xingu.

Em 2009 Malta lança novos CDs distribuídos na Dinamarca:Live Brasil com o Pife Muderno e a Big Band do Royal Conservatory of Music (Aarhus/DK); After the Carnaval em trio com o pianista dinamarques Thomas Clausen e a brasileira radicada na California Célia Malheiros; Tudo azul com seu quarteto e convidados.

Como educador, já deu aulas na Berklee School, no Conservatório da França, Universidade da Flórida e na Dinamarca, no Royal Conservatory of Music, onde em, ministrou curso de 2 meses, encerrando com um concerto de gala, como solista a frente da big band da academia. Liderando seus diferentes grupos, apresentou-se na China, França, Suíça, Inglaterra, Portugal, Estados Unidos, Alemanha, Holanda, Dinamarca, Suécia, África do Sul, Marrocos, Japão, Venezuela, República Dominicana e em Cuba onde tocou com Michel Legrand e Chucho Valdéz.

No Brasil, apresenta-se nas principais cenas da música instrumental do país. Sua carreira tem sido plural, com participações especiais nos shows de Bob Mc Ferryn ,Dave Matthews Band , Roberto Carlos & Caetano Veloso no tributo a Tom Jobim. Malta realizou a turnê de lançamento de seu cd TUDO AZUL, pelo Norte e Nordeste do Brasil, com patrocínio da Petrobras. Seu novo trabalho sinfônico, a Suite Os elementos em 5 movimentos, foi interpretada em primeira audição mundial pela Orquestra Petrobras Sinfônica juntamente com o Pife Muderno em um concerto memorável.

Logo após tocou com o Pife Muderno na China, no Concert Hall da Cidade Proibida, em Pequim. Recentemente Malta e seu Pife Muderno arrabataram o Carnegie Hall em Nova Iorque. Carlos Malta segue esculpindo seus múltiplos timbres nos saxofones(barítono, tenor, alto e soprano), nas flautas (soprano, alto em sol, dó, baixo, piccolo) no pife, na di-zi e no shakuhachi, traduzindo através de seu sopro, a alma da música do Brasil.

Em 2013 estreou espetáculo “Saravá – Tributo a Baden e Vinícius” numa releitura dos afro-sambas da dupla. E tocou com Dave Mathews band em turnê de verão na Flórida/EUA. Para 2014, prepara lançamento de CD ao vivo e turnê do grupo CARLOS MALTA & PIFE MUDERNO, que completarão 20 anos de carreira.